Mensagem de José Bonifácio (espírito) 20/11/1886

Almanaque do Estado do Espírito Santo

ano 1    1899, p. 88

Redator: Amancio Pereira

 

COMUNICAÇÃO

Da Sociedade Espírita “Religião e Ciência”, de São Paulo, recebemos a poesia, que abaixo transcrevemos, dada espontaneamente pelo Dr. José Bonifácio de Andrade e Silva, na sessão realizada a 20 de Novembro de 1886.

 

(MÉDIUM H. DE C.)

 

Dos homens na voragem mergulhado

Amei dos homens a inconstante sorte;

Fui aos poucos morrendo arrebato

Por outra vida que se chama – morte.

 

Transpuz invios caminhos; vi paisagens

Onde a dor se abraçava às alegrias,

E de minh’alma as celicas miragens

Sentiram muita vez as ironias…

 

– As ironias cruas da ignorância

– Lama da terra – orgulho transformado!…

Fui aos poucos morrendo qual fragrância.

De flor que habita ao longe algum valado.

 

José Bonifácio

(Do Orgão Spirita – Amor, Perdão e Caridade).

São Paulo, 29-11-1886



Para ver o documento original digitalizado clique aqui.


NOTA 1: A imagem utilizada no início desta página é um retrato de José Bonifácio e não faz parte do documento original.

NOTA 2: Como indicado acima, a mensagem foi psicografada no dia 20/11/1886, publicada no periódico espírita Amor, Perdão e Caridade de São Paulo em 29/11/1886, e republicada no Almanaque do Estado do Espírito Santo em 1899.


 ARQUIVOESPIRITA.ORG é um repositório digital de documentos relativos à história do espiritismo.  

Caso tenha algum documento que possa ser escaneado e transcrito no site, por favor entre em contato conosco pelo e-mail arquivoespirita@gmx.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *