Exortação de sexta-feira santa, por Espírito da Verdade

Periódico: União e crença – Ano I número 02 p.  3-4

Cidade: Areias, SP, 15 de abril de 1881.


Médium: Maria Amélia

Filhos,

Por toda parte esta noite glorifica-se a morte do Cristo, por toda parte faz caminho o erro porque não foi a sua morte que vos resgatou, foi a sua vida. O sofrimento é pouca coisa, a morte nada é; algumas horas de sofrimento não é um sacrifício tão extraordinário; muitos homens o passarão, mártires de suas ideias. Mas o que é alguma coisa, é o que leguei à Terra na plenitude de minha virtude, e de meu amor por ela; foi a encarnação, foi meu pensamento, foi minha doutrina de amor e liberdade. O resgate da Terra é a vida espiritual cuja existência mostrei, é o meio de vencer a matéria, e chegar ao aperfeiçoamento que lhes ensinei, em todos os momentos de minha vida terrestre. Compreendei pois o verdadeiro caminho do bem, compreendei esse encadeamento sublime das obras da Criação, compreendei que subir é aproximar-se de Deus – Princípio dos seres; poder, justiça e bondade.

Continuadores de minha obra, conservai bem minhas palavras: Um só caminho conduz à perfeição, a caridade. Ensinai minha doutrina em toda a sua simplicidade, mostrai aos cegos que vos rodeiam a puerilidade dos seus costumes, a vaidade do seu culto; mostrai que Deus é o único que se deve adorar.

Dizei-lhes que o mais belo dos templos é um coração puro, que a melhor prece é o trabalho, e o pensamento de amor pelas criaturas e reconhecimento para o Criador. Longe, bem longe de vós as crenças retrógradas que fazem de Deus um homem. Espeli tudo que não é puro, afastai os maus sentimentos, que são os vendedores do Templo, e que o profanam.

Orai e obrai.

Preparai o dia da religião da consciência, o dia do verdadeiro culto a Deus, o dia da fraternidade, o dia da paz. Pregai não somente por palavras, mas sobretudo, pelo exemplo. Eu vos dou meu pensamento, eu vos atraio a mim; marchai em paz sob a sombra da minha bandeira.

Espírito da Verdade

Nota do Periódico União e Crença: Este artigo, bem como os que se encontram no primeiro número de nosso jornal assinado por Mulhouse e Fenelon existem no livro “Evangelho Segundo o Espiritismo” e foram obtidos pelo mesmo médium sem que o tivesse lido em tempo algum.


 PARA VER O DOCUMENTO ORIGINAL DIGITALIZADO (CLIQUE AQUI)


NOTAS DO ARQUIVO ESPÍRITA:

1- Embora já tivesse sido de fato publicada na França, esta mensagem não faz parte de O Evangelho Segundo o Espiritismo como diz a nota do periódico. Ela foi psicografada pela médium W. Krell em abril de 1873 e publicada no livro Rayonnements de la vie spirituelle (1876), disponível em ao menos duas traduções para o português.

2- O texto apontado na nota como de autoria de Mulhouse, na verdade são dois trechos (e não um) de O Evangelho Segundo o Espiritismo (E.S.E.):  Os primeiros 5 parágrafos equivalem ao texto “O jugo leve” (E.S.E., cap. 6, itens 1 e 2), enquanto o restante do texto corresponde à mensagem escrita por “um espírito israelita” na CIDADE de Mulhouse, França (E.S.E., cap.1, item 9).

3- Os erros descritos acima reforçam a tese de que a médium tenha de fato psicografado no Brasil as mensagens anteriormente psicografadas na França sem acesso às publicações originais, embora não sejam suficientes para comprova-lá.

4- A imagem no início desta página é uma representação de Moisés e não faz parte do documento original.


O ARQUIVOESPIRITA.ORG é um repositório digital de documentos relativos à história do espiritismo.

Caso tenha algum documento que possa ser escaneado e disponibilizado no site, por favor entre em contato conosco pelo e-mail arquivoespirita@gmx.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *