Justiça Divina


Periódico: Reencarnação

Porto Alegre, ano 1 n.1, outubro de 1934


Certo beduíno, jovem ainda, sentindo que seu velho pai, de quem era arrimo, impedia gozar inteira liberdade, resolveu desfazer-se do octogenário, abandonando-o num oásis, no coração do deserto. Pôs o ancião à garupa do seu cavalo e partiu. No oásis fê-lo descer e esporeando o ginete, galopou de regresso, sem olhar para trás. Ao perceber o objetivo do moço, o velho estendeu os braços, gritando-lhe:

“Meu filho! Por Alá e pelo Profeta não me deixes aqui! Não é por mim, é por ti mesmo. Escuta-me!”

O moço voltou.

Meu filho! Continuou o ancião; “a mim pouco importa a morte. Eu não quero entretanto, morrer aqui, com pena de ti, para que te não aconteça o que me está acontecendo agora.”

E apertando o filho nos braços trêmulos; “Foi neste mesmo lugar, meu filho, que eu, há sessenta anos, abandonei teu avô!”

Eis a lei do Karma.


PARA VER O DOCUMENTO ORIGINAL DIGITALIZADO, CLIQUE AQUI


NOTA DO ARQUIVO ESPÍRITA: A imagem no início da página não faz parte do documento original.


O ARQUIVOESPIRITA.ORG é um repositório digital de documentos relativos à história do espiritismo.  

Caso tenha algum documento antigo que tenha relação com o espiritismo, por favor entre em contato conosco pelo e-mail arquivoespirita@gmx.com , ou por nossa página no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *